Graça Soberana

CENTRADOS NO EVANGELHO: reflexões cristocêntricas sobre a graça e as insondáveis riquezas do evangelho na vida de um desprezível pecador

O Evangelho

 

 

“Irmãos, quero lembrar-lhes o evangelho que lhes preguei, o qual vocês receberam e no qual estão firmes. Por meio deste evangelho vocês são salvos, desde que se apeguem firmemente à palavra que lhes preguei; caso contrário, vocês têm crido em vão. Pois o que primeiramente lhes transmiti foi o que recebi: que Cristo morreu pelos nossos pecados, segundo as Escrituras, foi sepultado e ressuscitou no terceiro dia, segundo as Escrituras…” (1Coríntios 15.1-4, NVI).

A história seguinte é a história de um cristão comum.

Pode ser sua história…

O momento decisivo em minha vida começou com fatos ocorridos antes mesmo de eu nascer. Esses acontecimentos contam uma história verídica e poderosa —uma história que mudou por completo minha vida.

Há quase dois mil anos, um menino nasceu. Seu nascimento foi diferente de todos os outros antes ou depois do dele. Sua mãe era uma virgem que, pelo poder de Deus, engravidou sem nem mesmo ter tido relações sexuais. Esse menino era Jesus —o único e exclusivo Filho de Deus.

Jesus cresceu como qualquer outra pessoa, a não ser por um único fato, muito importante. Ele jamais pensou, disse ou fez nada de errado. Quando contava trinta anos, começou a mostrar às pessoas como Deus, o seu Pai, era. Ele ensinou de que modo as pessoas poderiam ter um relacionamento com Deus, afastando-se do pecado e crendo nele. E demonstrou a grande bondade de Deus ao curar enfermos, dar vista a cegos e até ressuscitar mortos.

Tudo o que Jesus fez foi justo e bom, mas alguns ainda assim o odiaram. Falsamente o acusaram de crimes que não cometeu. Por fim, convenceram as autoridades a matá-lo, pregando-o numa rude cruz de madeira. Jesus ficou pendurado nessa cruz até morrer. Seus amigos, com o coração partido, sepultaram-no. Mas três dias depois aconteceu algo que deixaria a todos perplexos: Deus ressuscitou a Jesus de entre os mortos! Nos quarenta dias que se seguiram, mais de 500 pessoas viram a Jesus —prova incontestável de que ele realmente ressurgiu. Depois, contemplado por muitos, subiu aos céus para estar com o Pai e assumir seu lugar de Senhor de todo o Universo.

Antes de deixar esta terra, no entanto, Jesus prometeu retornar. Quando esse retorno acontecer, o mundo, como o conhecemos, terá seu fim. Jesus então julgará a todos os que já viveram. Alguns receberão vida eterna a seu lado. Outros sofrerão o castigo eterno no inferno.

Mas que relação tem essa história com os cristãos de nossos dias?

A história que você acaba de ler é conhecida pelo nome de evangelho, ou “boas-novas”. Creio que você conseguirá compreender de que modo essa boa notícia transformou minha vida depois que eu lhe contar uma má notícia.

Deus criou o homem e a mulher para honrá-lo, servi-lo e desfrutar de sua presença. Mas, desde o começo de tudo, as pessoas decidiram viver a sua maneira, em vez de obedecer à vontade e às ordenanças de Deus. A isso damos o nome de pecado. Embora todos os seres humanos pequem, Deus é isento de pecado. Ele odeia o pecado e advertiu-nos de que todos os que pecarem serão severamente punidos. Não há o que homens e mulheres possam fazer para se salvar da punição que merecem. Essas são as más notícias.

Mas Jesus realizou o que ninguém mais teve condições de realizar.

Veja só: Jesus morreu com um propósito. Não era simplesmente porque os homens o odiavam. Ele morreu porque seu Pai, por amor, decidiu puni-lo em nosso lugar. Em outras palavras, Jesus tomou o lugar destinado a nós. Tornou-se nosso substituto. O Filho sem pecado de Deus recebeu o castigo que nos cabia para que pudéssemos receber a recompensa que só ele merecia. Como podemos ter certeza de que Deus aceitou sua morte em nosso lugar? Pelo fato de que Deus ressuscitou Jesus dos mortos e o conduziu para os céus.

Jesus não é apenas mais um líder religioso com ordens de como devemos viver. Ele é Deus. Uma vez que nos libertou do poder e da punição do pecado, merece nossa total confiança e obediência.

Vamos falar do que lhe interessa?

O momento decisivo em minha vida aconteceu no dia em que ouvi essa notícia e cri nela. Nesse dia, pedi a Deus que me perdoasse os pecados e me ajudasse a começar a viver para ele. Deus atendeu a meus pedidos —não, porém, porque eu o merecesse ou fizesse

qualquer coisa especial. Por sua misericórdia, ele me perdoou com base no que Jesus realizou na cruz.

As boas-novas do evangelho transformaram minha vida. Deus me fez renascer e me deu um sentimento de alegria e de satisfação que não para de crescer. Embora eu esteja longe da perfeição, Deus está me ajudando a levar a vida que ele sempre desejou para mim.

O momento decisivo de sua vida pode estar bem diante de você também. Talvez você pense que nada disso lhe diga respeito. Mas Deus não vê as coisas dessa forma. Ele sabe que você está vivendo a seu modo em vez de viver para ele. Ele sabe que você está rumando para o castigo eterno, e sabe que não há nada a seu alcance que você possa fazer para mudar isso.

Mas Deus terá misericórdia de você —assim como teve de mim…

O que fazer?

Confie na morte de Jesus como o único ato capaz de pagar o castigo merecido por seu pecado. Dê as costas para seus pecados, vivendo para agradar e obedecer a Deus e não a você mesmo.

Saiba que Deus anseia ardentemente perdoar-lhe. Ele quer ter um relacionamento de Pai e filho(a) com você. E ainda lhe oferece a possibilidade real de viver o resto de seus dias honrando-o, servindo-o e desfrutando de sua companhia.

 

© Sovereign Grace Ministries. Usado com permissão. Tradução de Fabiano  S. Medeiros.

Anúncios
%d blogueiros gostam disto: